sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023

Voltas para mim?!

 

Cheguei ao inevitável estado de secura da alma, parece ter fugido de mim para me poder tornar a máquina das dez horas diárias de trabalho.

Oxalá volte, não gostava de ficar assim.

~CC~

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2023

A pior

 

Tarefas domésticas?!

Hesito na que será pior para mim: passar a ferro ou levar o lixo? Claro que esta é uma conversa para quem as tem que fazer todas e não tem separações entre os membros do casal, filhos, ou outros afins. Numa eventual divisão há pelo uma que não me importaria de fazer amiúde.

Então e vós?

~CC~


domingo, 29 de janeiro de 2023

Mês de todos os medos


 

Dizia o Salvador Sobral que era um rapaz melodramático, quando estava triste ouvia canções tristes para chorar e viver plenamente a dor, nada se se alegrar para esquecer. Concordo com ele, há que escavar bem o buraquinho pois é no fundo dele que o sol se encontra. 

Alguns podem até achar esta canção alegre, a mim só me leva às lágrimas. E há esse mês a chegar, Fevereiro, é o meu mês do medo, da dor, da solidão maior, das pequenas vitórias, das grandes interrogações. Este ano tenho uma coisa a ajudar: inspirarei muito Alentejo.

~CC~


sábado, 28 de janeiro de 2023

Dia ganho

 

Final da aula da manhã de hoje, sempre aquele receio da pergunta, mas faço-a: digam lá o que é que posso melhorar...

Só queremos perguntar uma coisa: vai ser nossa professora no 2º semestre?! Risos, festa...volte professora, volte. Adultos, alguns o dobro de mim, alguns muito próximos da minha idade.

Esqueçam tudo o que disse sobre cansaço, sim, ainda vale a pena.


~CC~

quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Descanso

 

O pensamento mais negro ocorreu-me ontem, pensei em desligar para sempre o telemóvel e ter apenas um telefone fixo secreto para familiares e amigos. Todos os dias o telemóvel toca com um pedido de trabalho, um convite para mais qualquer coisa, se pudesse alegrava-me, mas o excesso é tal que ocorre o efeito contrário. Desisti pelo receio que o telefone fixo não tocasse, um pensamento talvez ainda mais negro.

Há um momento em que respiro, é quando seco o cabelo à janela e vejo uma nesga de rio lá ao fundo e os dois castelos, cada um na sua colina. Há paisagens piores, há vidas piores.

~CC~